Tecnologia

É culpa da Apple Nexus 6 não ter sensor de impressão digital, diz ex-CEO

A Apple, fabricante do iPhone, é a culpada pela falta de um sensor de impressão digital no smartphone Nexus 6, de acordo com o ex-CEO da Motorola.

Dennis Woodside disse em um entrevista publicou segunda-feira no Telegraph, com sede no Reino Unido, que a Motorola - que co-desenvolveu o Nexus 6 com o Google - tinha planos de colocar um sensor de impressão digital na parte de trás do telefone, mas que a ideia acabou sendo abandonada depois que a Apple adquiriu a fabricante de sensores de impressão digital AuthenTec. em 2012.

'O segredo por trás disso é que deveria ser o reconhecimento de impressões digitais, e a Apple comprou o melhor fornecedor', disse Woodside ao Telegraph, referindo-se à covinha na parte de trás do Nexus 6 que atualmente abriga o logotipo da Motorola. ainda não está lá.'

A tecnologia de detecção de impressão digital já existe há algum tempo, mas é relativamente nova para smartphones e tablets. O iPhone 5S foi o primeiro smartphone da Apple a vir com a tecnologia, que permite aos aparelhos “ler” a impressão digital de uma pessoa e realizar determinadas tarefas, incluindo acessar uma tela inicial e entrar em um aplicativo. A tecnologia é vista como uma melhoria na segurança, embora tenha havido vários hacks vazados na Web que mostram como enganar sensores de impressão digital em smartphones não é tão difícil.



Maçã comprei AuthenTec em 2012 por US$ 356 milhões. Essa empresa oferecia uma tecnologia diferente de qualquer outra no mercado, pois permitia que os usuários simplesmente colocassem o dedo sobre o sensor para que as impressões fossem reconhecidas. Outros grandes fabricantes de sensores, incluindo Validity, que é propriedade da Synaptics , na época exigia que as pessoas passassem os dedos sobre um sensor.

Pouco tempo depois da aquisição da AuthenTec, a Apple tirou a tecnologia do mercado para uso no Touch ID do iPhone 5S. Essa mesma tecnologia também está no iPhone 6 e iPhone 6 Plus, bem como nos iPads mais recentes da empresa.

Nexus 6 do Google lançado no final do ano passado. Como os modelos anteriores, o Nexus 6 não é realmente construído pelo Google, mas pelo fabricante de dispositivos de terceiros Motorola. Várias empresas construíram produtos para a linha Nexus no passado, incluindo HTC e LG. A principal distinção entre o Nexus e outros aparelhos Android é que os dispositivos devem executar versões padrão do Android. Outros aparelhos que rodam no Android costumam vir com um sistema operacional 'skin', desenvolvido pela fabricante do aparelho, para diferenciar seus produtos.

o O Nexus 6 geralmente recebeu críticas sólidas , graças à sua tela vibrante de seis polegadas e design fino. A LEXO Reviews deu ao dispositivo quatro estrelas de cinco no ano passado, chamando-o de 'o aparelho Android puro mais poderoso disponível e o maior Nexus até agora'.

Ainda assim, a covinha na parte de trás do aparelho fez com que alguns questionassem o que a Motorola poderia estar pensando quando adicionou o recurso à placa traseira. Woodside, que atuou como executivo-chefe da Motorola quando estava planejando e construindo o smartphone, finalmente respondeu a essa pergunta.

Se o Nexus 6 tivesse vindo com um sensor de impressão digital, não teria sido o primeiro dispositivo Android a ter um . Produtos como o HTC One Max e o Samsung Galaxy S5 vêm com sensores de impressão digital. No entanto, eles foram projetados por outras empresas que não a AuthenTec e foram duramente criticados por não serem confiáveis ​​- uma reclamação ecoada por Woodside em seus comentários ao Telegraph. O smartphone Atrix 4G da Motorola tinha um leitor de impressão digital da AuthenTec, mas era uma versão anterior que se mostrou inconsistente.

Embora a Motorola tenha se recusado a comentar os comentários de Woodside, ele provavelmente seria a pessoa a saber. Woodside trabalhou no Google antes de ser nomeado CEO da Motorola quando a empresa de buscas adquiriu a fabricante de telefones celulares. Depois que a Motorola foi vendida para a Lenovo no ano passado, Woodside mudou-se para o Dropbox, onde atua como diretor de operações da empresa de armazenamento em nuvem.

O Google não respondeu a um pedido de comentário.