Tecnologia

FCC planeja votar neutralidade da rede em fevereiro

 O presidente da FCC, Tom Wheeler, planeja introduzir os regulamentos de neutralidade da rede propostos em fevereiro.

Os reguladores federais que pretendem impor restrições sobre como os provedores de Internet gerenciam seu plano de tráfego na Web votarão em novas diretrizes em fevereiro, disse a Comissão Federal de Comunicações na sexta-feira.

O presidente da FCC, Tom Wheeler, pretende apresentar os regulamentos propostos em fevereiro para votação no mesmo mês, confirmou uma porta-voz da comissão, após uma relatório do Washington Post. A reunião mensal da agência está marcada para 26 de fevereiro.

A proposta está no centro de um debate em torno do conceito de neutralidade da rede. Essa noção sustenta que todo o tráfego online deve ser tratado da mesma forma pelos provedores de acesso à Internet, sem que nenhum site ou serviço receba tratamento preferencial.

O trabalho da agência governamental para estabelecer novas diretrizes a colocou em uma posição difícil. A FCC deve pesar os interesses dos provedores contra os das empresas e usuários da Web.



Os provedores de acesso à rede argumentaram, entre outras coisas, que serviços de alta largura de banda, como sites de streaming de vídeo, deveriam pagar proporcionalmente pelo pedaço da rede que estão usando e que, sem a capacidade de cobrar taxas por velocidades de conexão mais rápidas, os provedores não terá incentivo para investir em redes mais rápidas. Empresas de infraestrutura de Internet como Intel, Qualcomm, IBM e Cisco argumentaram que restrições mais severas aos provedores de acesso dificultar os atuais esforços de banda larga e resultará na perda de até US$ 45,4 bilhões em investimentos nos próximos cinco anos.

Argumentos a favor da neutralidade da rede incluem a preocupação de que a cobrança de taxas e o controle sobre as velocidades de conexão dariam aos provedores de acesso muito poder sobre a distribuição de conteúdo. Os defensores da neutralidade da rede também disseram que as startups e outras empresas menores não seriam capazes de competir com sites e serviços de bolso - e que a inovação e os serviços alternativos sofreriam como resultado.

Relatórios anteriores indicavam que Wheeler queria votar os regulamentos antes do final de 2014, mas que o projeto foi adiado para garantir que os regulamentos pudessem se sustentar no tribunal.