Tecnologia

O mais novo inimigo do Adobe Flash: Google

As maiores empresas de tecnologia do mundo – da Apple ao Facebook – têm um desejo de morte pelo Flash, o software de animação da Web feito pela Adobe. Adicione outro peso-pesado à lista: o Google.

Na terça-feira, a gigante das buscas deixará de exibir automaticamente anúncios feitos com Flash em seu navegador Chrome, o navegador mais popular do mundo. (Se você quiser ativar a reprodução automática novamente, você pode.)

O movimento, anunciado pela primeira vez em junho , muda o campo de atuação dos criativos de publicidade que se acostumaram com o software de animação.

Por que tanto vitríolo para um pedaço de software? O Flash tem sido uma ferramenta popular para exibir animação e vídeo na Web, mas nos últimos anos, as empresas de tecnologia criticaram o software por consumir bateria e vulnerabilidade de segurança. (O engenheiro de software do Google, Tommy Li, citou o consumo de bateria no anúncio da empresa em junho para pausar os anúncios.)



Nem o Google nem a Adobe responderam aos pedidos de comentários.

A mudança do Google causou um efeito cascata. Amazonas disse na semana passada que deixaria de exibir anúncios em Flash em seu site, especificamente devido às alterações feitas pelo Google e às políticas existentes de outros navegadores da Web.

O sucesso do Google é apenas o exemplo mais recente de gigantes da tecnologia empilhando em Flash. No mês passado, o chefe de segurança do Facebook Alex Stamos desabafou sua frustração em um post no Twitter . 'É hora de a Adobe anunciar a data de fim de vida do Flash e pedir aos navegadores que definam killbits no mesmo dia', escreveu Stamos. Pouco depois, a Mozilla, que torna o popular navegador Firefox, disse que estava bloqueando o Flash no Firefox como padrão.

Em 2010, Steve Jobs, então CEO da Apple, escreveu um manifesto contra o Flash para explicar sua decisão de remover o suporte ao Flash do software iOS da empresa, que alimenta iPhones e iPads. A mudança levou os sites a lutarem para oferecer suporte a padrões alternativos, como HTML5, e diminuiu o poder que o Flash tinha na Web.

Na carta, Jobs chamou a atenção da Adobe sobre o histórico ruim de segurança do Flash, além de ser a 'razão número 1 pela qual os Macs travam'.

“Talvez a Adobe devesse se concentrar mais na criação de ótimas ferramentas HTML5 para o futuro e menos em criticar a Apple por deixar o passado para trás”, escreveu Jobs.